10/07/2012

Crime e castigo

Olhando para o reboco recém feito na parede a bruxa ainda chorava o gato - o gato que ela amava como filho (e que emparedou, sem pena, ainda vivo, como mãe que castiga).
Me desculpe, Lusbel, me desculpe...
Lembrou do gato em outros séculos, feliz a andar pela casa, e chorou mais um pouco. Depois enxugou as lágrimas e continuou firme:
– Mas a culpa foi toda sua! Já tinha avisado que não queria te ver falando na frente dos convidados...



2° lugar no 1° Desafio Escrita Criativa
- Blog Concursos Literários