29/11/2013

Amor (8)


o amor fresquinho na quitanda
o amor apodrecendo na fruteira

3 comentários:

  1. Nem mais! É por essas e por outras que eu acho o casamento uma "treta", e como diria Jorge Luis Borges, citando de memória; " o casamento é um destino pobre para uma mulher".
    xx

    ResponderExcluir
  2. Ah, o amor... São tantos ao mesmo tempo.
    Que realmente uns estão aí fresquinhos e outros bem podres...
    Será que um dia saberemos lidar com isso?!

    Mais uma síntese poderosa, André! Parabéns...

    p.s: Quero muito a sua opinião sobre o meu último poema "Condenação" (publicado no meu blog). Preciso saber o que o escrito realmente desperta no leitor, para ter a certeza de que não escrevi bobagem. Passa lá depois.

    Abraços.

    ResponderExcluir