17/12/2013

Soneto para Ana Luísa

“Ana e o mar... mar e Ana” (TM)
***
À Ana Luísa (Green) Ribeiro

Ana Luísa, és Green no sobrenome!
Nas noites frias tens o que te aqueça...
A esperança é a cor do teu nome
e onde há esperança há tocha acesa!

Outro ano passa e ainda a mesma dor:
médicos já não curam o amanhã...
Ah, como odeio o fim do ano por
roubar-te, Ana, das minhas manhãs...

Aninha, Ana Luísa, Ana Banana...
São tantas Anas dentro de uma só!
A Ana meiga que todo mundo ama.

A Ana que machuca sem ter dó.
A Ana esperta; a burra. A Ana humana!
Vão todas para o mar e eu só pó...


11 de dezembro de 2013

A. F.