16/10/2014

Aos dezoito



* Foto: Manhã na praia

Escrevo porque não sei dançar.
Mamãe me disse que é preciso
arrumar emprego & namorada
— e nunca foi tão difícil
fazer a barba sem cortar
os pulsos.

               Quando nasci, confesso
               : não veio anjo algum.
               Desde então os invento...
               Contra o tédio desde 1996.

Paro ainda mais uma vez à porta da tabacaria
onde a cruz estrangeira guarda a morte.
Não tenho aonde ir. É tarde
e amigo algum me abriria a porta.

               Meus amigos são fabulosos!
               A alguns escrevo cartas
               que demoram a chegar,
               ou se extraviam. A outros
               contos eróticos
               que nunca lerão.

Ainda ontem lia um poema perigoso
num clube patético,
e me chamavam O Inflamável,
e bebiam em meu nome
— eis minha glória!

Ontem também encontrado morto
(nove facadas, o pescoço
cortado) um selvagem qualquer
aqui da Rua Pau Brasil. Virgens
em pânico!

Eu queria pra mim o pudor dos comedidos
e seus movimentos precisos e simulados.
Mas dividiram meu peito em castas
e povoaram... Estou exposto & estúpido.

Que triste revisar as coisas
de ontem, agendar as coisas
de amanhã. Por ora: (1) alimentar
o cão, (2) trancar as portas, (3)
dormir... O céu é logo depois
do abysmo…

A. F.

10 comentários:

  1. Felizmente ou infelizmente é a vida! Vivamos.

    ResponderExcluir
  2. André: sempre nos levando a grandes viagens atraapés das suas palavras.abraços meus

    ResponderExcluir
  3. Texto intenso, André. Forte conteúdo em pouca idade. Um abraço!

    ResponderExcluir
  4. Emocionante, intenso, sente-se a dureza e a suavidade num mesmo laço, vc esgana a mesmice e faz reviver o frescor de uma terra inexplorada - a terra da beleza aterradora da poesia. Parabéns!

    ResponderExcluir
  5. Eh como um intenso conto, que mesmo cheio de informaçoes, se desfecha em poesia.
    Lindo garoto!

    ResponderExcluir
  6. Andre..
    Estive o blog do Viviane deixei um comentário lá para você.
    Aqui estou conhecendo seu blog ,e mais um pouco de você também.
    Andre..Quase odos os seus poemas me parece um pouco triste ,
    mais a cada um tem seu significado.
    a vida não é feita só de poemas de amor..
    Temos que ver a vida de todos os lados..
    Uma feliz semana abraços..
    Evanir.

    ResponderExcluir
  7. OI ANDRÉ!
    VENHO DO PROSAS POÉTICAS ESTOU TE SEGUINDO E ESTAREI POR LÁ NOS DIAS 4 E 5.
    ESCREVES MUITO BEM.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Céus, que lindo. Doloroso e real, medido, arrepiante

    ResponderExcluir