29/08/2012

Haikai de padaria


O sol não veio.
Na mesa sonhos
partidos ao meio...


Um dos 20 poemas selecionados no
II Concurso de Poesia Urbana - 2012

26/08/2012

Morrer na vilazinha

Como um poema que se fez qualquer, em chão de gentes,
estava bela a tarde e os pássaros inda cantavam sem motivo.
Inda as árvores revoltosas se tremiam contra o vento
o vento que veio do leste, vento-leste que trouxe a discórdia
das árvores...


18/08/2012

Purgatório

antes ter despido aquele terno...
antes ter sorvido mais do mel...

e quantas negras mais
pra eu queimar no inferno?...
e quantas rezas mais
pra eu dormir no céu?...

12/08/2012

Pai,


Por que deixou eu girar na ciranda?
Agora eu sou esta figura torta...
Que vai fazer, me plantar na tua horta?
Comprar mentiras em qualquer quitanda?

De muito gorda a porca já não anda.
De muito usada a faca já não corta.*
De que me vale, pai, abrir a porta,
se nesta casa minha voz não manda?

Falemos hoje de mais coisas sérias,
nos esqueçamos, pai, hoje, das putas;
falemos hoje das tuas falsas lutas,

falemos hoje só de suas misérias.
E que esta tarde ou qualquer tarde seja,
eu te revele e então você me veja...

*  "Cálice", Chico Buarque e Gilberto Gil ~

05/08/2012

Aniversário

A hora do bolo
é uma carnificina: os dentes
brancos pretos amarelos
me dilaceram, sem pena...
e sentem pena, depois...

Junto com o bolo
engulo o amor, o terror
e a paz... Junto com o bolo
de chocolate (meio) amargo
engulo a verdade
abafada... Junto com o bolo
me divido, me reparto e parto...
e em cada pratinho de plástico
alguém, em silêncio, me devora...

(Ai Deus...
Não tenho mais onde me sentar...
em cada banco já há
um casal que se ama...)

O domingo é pálido
mas não deixa de ser
um lindo domingo em família...

A. F.

Hoje este caderno faz um ano
(e minha avó 67!)
Parabéns? ~

Haikai da última lembrança

(pra que Vô Zé não caia
no meu esquecimento)

Meu vô caminhando,
atrás dele uma sombra...
É verão, eu acho.

02/08/2012

Quarto 69

Espere...
Com as mãos terminou de arrancar a criança asquerosa que era cuspida do seu ventre. O parceiro, da cama, ouviu a descarga.
Pronto.

Puderam, então, seguir com a transa...
Publicado na revista minicontos.com.br,
antiga Veredas, no dia 28/12/2012.