22/03/16

Iniciação



"Vinde! Corvos, chacais, ladrões de estrada!"
(Mario Quintana)


Tragam a noite espúria onde vive
o réprobo dos bichos e dos homens,
o que negou a paz dos lobisomens
ao se benzer nas águas do Estige.

Tragam corvos, chacais & prostitutas
(que hoje eu vou queimar, mas não sozinho):
não quero mais a musa, quero as putas!
não quero mais amor, quero mais vinho!

Amigos, peço, imploro, rogo, clamo:
tragam da veia mansa o teso mel,
o gozo que verteu em terra Onã,
o sangue que Caim tomou de Abel.

Vampiros, nossos filhos de amanhã.


A. F.



25/01/16

Retrato da galinha enquanto morre


Uma galinha, que engraçada,
se derramando, e tão discreta
: sua natureza degolada
mantém algo de secreta
em sua morte desvelada.
Essa galinha é poeta.

Mas a galinha na calçada,
em sua forma de morrer,
parece não saber de nada
do que é ser ou é não ser.
Pobre galinha degolada,
sabe morrer sem nem saber.

Pobre galinha, degolada
bem antes mesmo de nascer.
Nesse cenário (a calçada),
toda encolhida (que engraçada),
achou sua forma de morrer.
Essa galinha é tudo ou nada.

E morre, e morre pra valer,
essa galinha, que engraçada.
O sangue jorra sem saber
o que é carne o que é calçada
nessa paisagem degolada,
nesse cenário que é morrer.

A. F.

02/12/15

Éramos uma vez



1984-1991


* Imagem de Sally Mann
(1984-1991)

[1]

Éramos amarelos
como os canarinhos
e os girassóis.

Eu fazia a comida,
você alimentava
os dragões. Eu
escrevia os poemas,
você os queimava
na lareira.

Éramos um fogo só. 

[2]

Diziam, os vizinhos, quando
éramos amarelos,
que nossos olhos juntos
eram mais que o sol.

Deus sempre vinha
tomar uísque
em nossa casa
de bonecas.
(Éramos amarelos
e cristãos.)

[3]

Mas isso foi antes
daquele verde
nos seus olhos.

Era domingo
e na tv
nada entretinha
as nossas vísceras.

Você, entre um comercial
e outro, alimentou florestas
ao invés de dragões.

(Era domingo demais
para uma natureza
assim tão vasta,
assim tão brusca.)

Quis sair: mas é domingo.
Era domingo, não
entendi.
Quis sair, eu disse: fica.
Com te conter, eu
te perdi.

[4]

Eu, sozinho,
dei de beber coca-cola
e escrever poemas
pra não queimar depois.

Os dragões morreram todos.
Não sei se de fome. Não sei
se de tédio.

A. F.

07/11/15

Mais populares que Jesus Cristo



* Imagem: Garry Winogrand (1928–1984)


[  ]

Deus não está morto
– porque Coke é Deus
e desce gostoso na garganta
enquanto a gente se mastiga.

(Mais populares
que Jesus Cristo
os nosso métodos
de tortura.)

Se eu te mostrasse
a materia
da poesia...
talvez você se matasse,
talvez tu me matarias...
talvez a gente beijasse
os pés da Virgem Maria...
talvez a gente brincasse
com a matéria da poesia.

Estamos nos torturando
desde o início dos séculos,
e o antes disso, meu bem,
éramos nós também.

Deus não está morto,
porque Deus são nossas bocas
undergrounds.

A. F.