27/11/2013

Noite! Noite


Noite! Noite escurecida!
Em cada noite há um violão
e uma canção esquecida...

Noite! Noite facetada!
Em cada noite há um grito
e uma verdade abafada...

(Noite! Noite pueril!
Em cada noite há um guardião
e em sua mão a arma vil...)

Noite! Noite mentirosa!
Em cada noite há um bicho
e dentro disso uma rosa...

Noite! Noite embaralhada!
Em cada noite há um estrondo
e um assombro na escada...

Noite! Noite esclarecida!
Em cada noite há um poema
e um problema... E a vida.

A. F.

* Desenho de
Eduardo Flores

26/11/2013

Amour

Os hipogrifos estão morrendo!... Salvem
os hipogrifos!... Não há valas que caibam
seus enormes corações selvagens. Amour.
O amor dito baixinho, feito depressa atrás
do palco. O amor violento, amor gratuito.
O amor contrabandeado da França. Stop!
Parem esse amor... Matem os hipogrifos!...
(Este poema não tem pretensões políticas.)

A. F.

15/11/2013

A um passarinho

Para que vieste
Na minha janela
Meter o nariz?
Se foi por um verso
Não sou mais poeta
Ando tão feliz!
Se é para uma prosa
Não sou Anchieta
Nem venho de Assis.

Deixa-te de histórias
Some-te daqui!

Vinícius de Moraes
Volta passarinho,
pro meu botequim.
Volta, volta, volta:
volta para mim!
Inda levo a marca
mesma de Caim.
Não, não sou poeta
nem falo latim...
mas per omnia saecula
 até os confins
beberei poesia
em copos de gim.

A. F.

13/11/2013

O amor é um cão dos diabos

Mais uma vez a Srtª Belle Bueno inventou de me desafiar, como de praxe de forma interessante e divertida. Desta vez tenho de responder a três perguntinhas bem pouco audaciosas sobre minha vida amorosa literária. As questões são as seguintes: 1  Que características fazem com que uma personagem entre para a sua lista de esposas literárias? 2  O que menos te atrai em uma personagem? & 3  Quem é a sua atual esposa literária?

Com a graça do velho Buk vamos às respostas!