24/08/2014

Dois enterros


Meus pássaros não param de morrer. 
Esta manhã dois corpos recolhi
: um na esquina onde te perdi,
outro à janela em que me vi perder.

Duas rasas covas ternamente abri,
pois cada morto é parte do meu ser,
e como eu não soubesse o que dizer
um epitáfio a cada um escrevi.

Ao meu primeiro pássaro: Aqui jaz
um amador que, por perder uma asa,
dormita, agora, em ninhos abissais.

E ao meu segundo pássaro: Aqui jaz
a pomba branca que fugiu de casa
e não retorna nunca, nunca mais...

A. F.

* Foto: Natura Morta

11 comentários:

  1. arrasou! gosto do teu estilo forte, contundente!

    ResponderExcluir
  2. Puxa, André! Lindo, embora eu seja daquelas que goste sempre de finais felizes! Muito bem escrito! Um abraço!

    ResponderExcluir
  3. Oi, André!
    Muito linda a a apresentação e o desenvolvimento das metáforas! Você sabe bem representar os sentimentos!

    Abraços,
    Diego.

    pecasdeoito.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Minha vida, meus mortos / Meus caminhos tortos: https://www.youtube.com/watch?v=BliqScxpNRs

    ResponderExcluir
  5. André, essa poesia é mais profunda do que se tivesse cavado mil covas com as mãos.

    ResponderExcluir
  6. Sentimentos são pássaros livres, são pardais. Mesmo em gaiolas, se deixar ir embora ele vai.

    ResponderExcluir
  7. Metáforas muito bem lapidadas. Espero que seus pássaros parem de morrer e aprendam a voar com sabedoria.

    O Mundo Em Cenas

    Abraços

    ResponderExcluir
  8. Simplesmente lindo, adoro teus poemas.


    Beijos e ótima semana
    http://mylife-rapha.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Olá André!
    Venho agradecer-lhe e fiz questão de fazê-lo me manisfestando neste exuberante poema que ao meu evento enviaste. Parabéns pelo blog e por suas belíssimas criações. Estarei sempre por aqui. Apareça por lá; a casa é tua!
    Abraço.

    ResponderExcluir